Paraíba tem 319 mortes violentas no primeiro trimestre de 2018


Paraíba registrou 319 homicídios no primeiro trimestre de 2018, de acordo com o Monitor da Violência do G1, que vai acompanhar as mortes violentas mês a mês em todos o país. Somente no mês de Março, foram 93 mortes em crimes violentos em cidades Paraibanas. Em comparação ao mesmo período de 2017, houve uma redução de 21 mortes, cerca de 6% no primeiro trimestre.

Em relação ao mês de fevereiro, o número de mortes caiu, foram quatro mortes a menos. A redução das mortes violentas é ainda maior se levado em consideração os 127 mortes em Janeiro deste ano.

  • Paraíba tem 129 pessoas mortas em crimes violentos em Janeiro

  • Paraíba tem 97 pessoas mortas em crimes violentos em Fevereiro

Para fins comparativos, a taxa de mortes violentas por grupos de 100 mil habitantes foi de 2,3 mortes em Março. Os dados do Monitor da Violência Secretaria da Defesa e Segurança Social (Seds) da Paraíba que constam no projeto Monitor da Violência do G1.

Ainda de acordo com o Monitor da Violência, no Brasil, 11.578 pessoas foram assassinadas nos três primeiros meses deste ano. Entre os estados do Nordeste que divulgaram os dados, a Paraíba apresenta em 2018 o segundo menor índice, atrás apenas de Piauí.


Especialistas


O dado, inédito, contabiliza todos os homicídios dolosos, latrocínios e lesões corporais seguidas de morte, que, juntos, compõem os chamados crimes violentos letais e intencionais. O comandante da Polícia Militar, coronel Euller Chaves, comentou que os esforços do estado resultou em seis anos de redução das mortes violentas na Paraíba.


O coordenador do núcleo de Direitos Humanos da UFPB e do grupo de pesquisa em Violência e Segurança, Paulo Moura, destacou que a escalada no número de mortes violentas evidencia uma necessidade de uma política nacional de segurança.


"É indispensável o combate integrado ao crime organizado, sem uma integração nacional, o crime organizado não será combatido. É preciso incluir as polícias no ciclo completo policial, ou seja, que as duas, Militar e Civil, tenham o poder de investigar. Sem a valorização, formação e capacitação dos profissionais de segurança fica inviável a constituição de políticas públicas exitosas", comentou.

G1 ParaÍba

Postagem Recente

Contatos:

(83) 9 9113 4151

(83) 9 9612 6828

 

 

Jatobanet.com.br - Cobertura de Eventos

2020 © Todos os direitos reservados.